Orlandinho fala sobre Jair Bolsonaro e diz: “A reforma da Previdência é um tiro mortal no futuro dos trabalhadores”

Foto: Infosaj

O prefeito de Cruz das Almas, Orlandinho Peixoto (PT), esteve nesta quarta-feira (31), prestigiando a solenidade de passagem de comando do 16º Grupamento do Corpo de Bombeiros com sede em Santo Antônio de Jesus, no recôncavo baiano. O tenente coronel Admilson Cerqueira Reis assume o comando no lugar do tenente coronel Valdemir Matias dos Santos. Em entrevista ao Portal Infosaj/TV Recôncavo, o prefeito desejou sorte aos comandantes Admilson e Matias e disse que tem um apreço pelo Corpo de Bombeiros. “O Corpo de Bombeiros está sediado aqui em Santo Antônio de Jesus, mas na realidade tem uma missão territorial no recôncavo que atendido por essa unidade do Corpo de Bombeiros. Vi aqui dá um abraço do tenente coronel Matias que vai desempenhas suas funções na cidade de Paulo Afonso e também desejar boa sorte ao tenente Admilson que está assumindo a unidade aqui. Os municípios têm um apreço muito grande pelo Corpo de Bombeiros que atende a todos nós sempre que é necessário. É fundamental que a gente tenha aqui na região uma unidade dessa que presta serviços relevantes a toda a população, principalmente na área de incêndio e Cruz das Almas sempre foi bem atendida”, disse o prefeito.


Filiado ao Partido dos Trabalhadores e prefeito por três mandatos em Cruz das Almas, Orlandinho Peixoto criticou as declarações do presidente da República Jair Bolsonaro sobre o pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Também fez críticas ao ministro Sérgio Moro e defendeu o jornalista Glenn Greenwald. “Lamentável em todos os sentidos. Ele ataca a memória de uma pessoa desaparecida segundo documentos da própria Comissão da Verdade. Ele agride a memória de uma pessoa que desapareceu através de assassinato. E agredindo essa memória de Santa Cruz, ele agride também uma memória de todos os outros que desapareceram e que foram presos e torturados sobre a guarda do estado brasileiro na ditatura militar. Acho lamentável que ele retome a história enaltecendo a história militar e colocando como vítima a ditadura militar e colocando como agressor todos aqueles que foram presos, massacrados, torturados e mortos. É de uma estupidez inominável. Boa parte da mídia continua tendo paciência com as idiocracias das frases do presidente que ataca todas as pessoas e pregando o ódio no Brasil”, disse.


Fonte: Infosaj

 

Postar um comentário

0 Comentários