Cachoeira: Entidade quilombola afirma que universitária morta era liderança promissora

Foto: Arquivo Pessoal/ Reprodução/ Facebook

A associação quilombola da qual fazia parte Elitânia de Souza Hora, morta na noite desta quarta-feira, dia 27, em Cachoeira, no Recôncavo baiano, afirmou que a jovem era uma das lideranças mais promissoras. A jovem foi morta a tiros quando tinha saído da Universidade Federal do Recôncavo (UFRB) (ver aqui). Na manhã desta ultima quinta-feira, dia 28, estudantes e professores fizeram uma manifestação em repúdio ao crime.

Elitânia de Souza Horta cursava o 7° semestre do curso de Serviço Social da UFRB. Ela também era secretária da Associação de Mulheres do Quilombo do Tabuleiro da Vitória e Adjacências (AMQTVA). Para a presidente da AMQTVA, Maria de Totó, o feminicídio ocorrido reflete a onda de violência estimulada contra os quilombolas pelo governo federal e outros agentes de Estado.

“As lutas de Elitânia não foram em vão, nosso povo, unido, vai buscar justiça para ela e sua família, para que o caso não seja uma mera estatística”, disse Maria de Totó. Conforme Anhamona de Brito, advogada da AMQTVA e ativista de Direitos Humanos, a vítima tinha buscado o apoio das instituições de segurança pública e de justiça, que não conseguiram assegurar sua proteção após inúmeras denúncias.

“Elitânia foi agredida diversas vezes por Alexandre Passos Góes estando sob medida protetiva de urgência. Filho de juiz aposentado, dizia que não daria nada para ele e que a mataria na primeira oportunidade. Mesmo com a pressão comunitária, o assassino, pessoa conhecida na região e com endereço certo, não era localizado pela polícia ou pelas instituições do Sistema de Justiça”, disse. Segundo a advogada, maior preocupação é assegurar a vida da principal testemunha do crime, colega de turma da vítima que estava ao seu lado quando dos disparos.

Bahia Noticias

Postar um comentário

0 Comentários