Bahia apresenta orçamento para 2022 com R$ 76 milhões a menos que 2021

Foto: Reprodução

Na noite desta segunda-feira (20), a diretoria executiva, liderada pelo presidente Guilherme Bellintani, apresentou o orçamento do clube para 2022 durante a reunião com o Conselho Deliberativo. O Bahia espera arrecadar R$ 95,6 milhões em 2022 - menor valor desde 2016, quando previu arrecadar R$ 83 milhões. Representa queda de R$ 76,2 milhões (44,4%) na comparação com a previsão de 2021, de R$ 171,8 milhões - parte deste valor teve origem nas receitas de 2020, que entram no clube só no ano seguinte. Muito disso em consequência do calendário do Brasileirão 2020 que adentrou 2021.

As receitas para chegar aos R$ 95,6 milhões estipulados pelo clube inclui cotas de televisão, venda de atletas, faturamento com programa de sócios, venda de produtos oficiais, entre outros. A maior parcela do prejuízo é decorrente dos direitos de transmissão dos jogos. Quando estava na primeira divisão, o Bahia tinha previsão de arrecadar R$ 49,9 milhões. Na Série B, a cota fixa é de R$ 8,4 milhões. Redução de R$ 41,5 milhões.

Conta - Se juntam à verba da cota de transmissão da Série B, a projeção de receitas de outros departamentos. A maior parte da arrecadação planejada é por meio da venda de jogadores. Em 2022, o Bahia espera arrecadar R$ 27 milhões em direitos econômicos, R$ 2 milhões a mais do que a meta estabelecida para 2021. Não entra nessa conta a venda de Ramires ao Red Bull Bragantino anunciada nesta segunda-feira.

O restante do orçamento seria composto por: R$ 14 milhões com o plano de sócios, R$ 12,6 milhões em patrocínios e ações de marketing, R$ 9,4 milhões com a Loja Esquadrão, outros R$ 7,9 milhões com direitos de transmissão de competições (Copa do Brasil, Campeonato Baiano e Copa do Nordeste), além de R$ 3,3 milhões em luvas da Globo e R$ 1,9 milhão em outras receitas.

O Bahia apresentou também o planejamento de cortes nas despesas. O clube afirma que o quadro funcional terá redução de 55% do custo. O maior impacto será na folha do futebol profissional, mas categorias de base e outros setores também serão afetados.

O tricolor estima gastar algo em torno de R$ 40 milhões com despesas pessoais, R$ 4 milhões no pagamento de comissões na compra e venda de atletas e R$ 8 milhões no pagamento de direitos de imagens. O orçamento teve parecer positivo do Conselho Fiscal.

Metas no campo - A diretoria apresentou as metas esportivas para 2022. Este planejamento é levado em consideração para a montagem do orçamento e é construído de forma conservadora. Dessa forma, o principal objetivo do clube é conquistar o acesso à Série A. Nos outros campetições, a projeção é de avançar pelo menos uma fase na Copa do Brasil - o time entra na terceira fase por ser o atual campeão da Copa do Nordeste -, alcançar no mínimo a semifinal do Nordestão e chegar à final do Campeonato Baiano.

Por: Metro 1

<img border="0" data-original-height="90" data-original-width="728" height="80" src="https://blogger.googleusercontent.com/img/a/AVvXsEhyY5c_cq2LAWOWEnF5w3AAmM20HyU_ul3lY8xczGRBKEtVqXlwgMMrzcYAvb308HM9Xt_m2aPboc7LbEPBZyg7QOQmGopeZysCiknxGT3Wk3Bvn3j4tWfT20BOd4-evsIqIO-w2JLWCDgkBTyqi_OYJgUOhR9QfQ-KYiSsLoRLjGFQXUhiAj3w0gX4=w640-h80" width="640">

Postar um comentário

0 Comentários