Conheça a origem dos nomes de alguns bairros de Cruz das Almas

Foto: Reprodução

Você sabe qual a origem dos nomes dos bairros de Cruz das Almas? Itapicuru, Tabela, Inocoop, Ana Lúcia, Suzana, Dona Rosa e outros…

COPLAN – era o nome da construtora que constava na placa na entrada conjunto residencial planejado em construção, o que acabou servindo de referência para “apelidar” o lugar, o bairro da Coplan. Oficialmente, chama-se Núcleo Habitacional Ministro Aliomar Baleeiro.

ASSEMBLÉIA – inicialmente, era a rua onde até hoje fica localizada a mais antiga igreja Assembléia de Deus em Cruz das Almas, o que servia, portanto, de ponto de referência, dando nome ao lugar: Rua da Assembléia. Com o passar do tempo e o desenvolvimento do lugar, a população passou a chamar toda a expansão de Bairro da Assembléia.

ITAPICURU – nome da antiga Fazenda Itapicuru, que era propriedade do Coronel José Batista da Fonseca, conhecido por Cazuzinha. A extensa área foi loteada dando o nome a este e também origem a outros bairros.

INOCOOP – no Brasil, geralmente os bairros criados com o nome Inocoop são originários do Inocoop (Instituto de Orientação às Cooperativa Habitacionais) que é um sistema de cooperativas habitacionais em vários estados brasileiros, com o intuito de captar ação pública e orientar iniciativa privada, estimulando a construção de habitações de interesse socia e financiando a aquisição da casa própria.

TABELA – a rua que atualmente fica entre o bairro Tabela e o Portão 1 da UFRB, antigamente era conhecida como Rua da Corrente e era a principal entrada comercial da cidade. Ali havia uma grande placa, uma tabela, que informava os valores das taxas de embarque de mercadorias (gado, fumo, laranja) que deveriam ser pagas para o transporte nos trens da antiga estação ferroviária Eng. Eurico Macedo, que ficava logo adiante seguindo a estrada. Assim, essa “tabela” que serviu de referência do local por muito tempo, deu nome ao bairro.

ANA LÚCIA – Originário do Loteamento Ana Lúcia, antiga propriedade de Lauro Barroso Fonseca (Maninho de Cazuzinha). Na década de 1970, o proprietário resolveu lotear a área que ficava ao lado da Mata de Cazuzinha na Fazenda Itapicuru e lançou o loteamento com o nome de Ana Lúcia. Escolheu esse nome como uma homenagem aos filhos: Ana Lúcia é o nome de uma de suas filhas. Quando a administração municipal resolveu dividir a cidade em bairros, optou por manter a denominação.

LAURO PASSOS – uma área plana situada no perímetro urbano da cidade e que, no passado, era a sede de uma fazenda de laranja de propriedade do ex-prefeito da cidade, Dr. Lauro de Almeida Passos, falecido em 1982. Com o desmembramento da área, que se transformou em loteamento, abriram-se ruas largas e uma grande praça, hoje conhecida como Praça da Sumaúma.

DONA ROSA – nos anos 50 e 60 havia uma hospedaria para estudantes que vinham de outras paragens frequentar o Ginásio Alberto Torres e a Escola de Agronomia. O local era afastado do centro da cidade, era uma chácara e seu acesso era pelo “Pulo do Bode”. Quem comandava a tal hospedaria era Dona Rosa Lordelo, que veio a dar o nome ao bairro mais tarde.

BAIXA DA LINHA – comunidade composta por remanescentes de quilombo, conhecida por este nome por conta da linha do trem da antiga estação ferroviária que passa por aquela localidade.

Postar um comentário

2 Comentários

  1. Achei legal essa ideia q venha mas assunto referente a nossa Cidade

    ResponderExcluir
  2. O da assembléia ta errado. ��������
    O povo poderia ao menos saber da verdade antes de postar

    ResponderExcluir