About Me

 http://escolas.educacao.ba.gov.br/noticias/ensino-medio-da-rede-estadual-inicia-aulas-semipresenciais-na-proxima-segunda-feira-267-e-o/

Governadores do Nordeste estudam limitar doses da Sputnik V a poucas cidades

Foto: Reprodução/Facebook/Embaixada da Rússia no Brasil

O governador do Piauí, que é também presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias (PT), afirmou neste sábado (5) que os governadores do Nordeste estudam concentrar as primeiras doses da vacina Sputnik V em uma cidade de cada Estado. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nessa sexta-feira (4) com restrições, o pedido de importação excepcional do imunizante, além da vacina Covaxin.

O gestor falou sobre o assunto durante um evento online com um grupo de advogados. Segundo ele, a ideia é reproduzir o mesmo experimento realizado na cidade de Serrana (SP) pelo Instituto Butantan, para verificar a eficácia da vacina Coronavac.

“A ideia é ter esse monitoramento acompanhado pela Anvisa e pela ciência, por nossos cientistas. A ideia que a gente discutiu hoje é de, provavelmente, escolher cidades. Piauí, por esse 1%, duas doses, vai receber 64 mil doses. Vamos escolher uma cidade que tenha mais ou menos 32 mil pessoas para vacinar. Vamos aplicar a primeira e a segunda dose, como foi feito em Serrana, acompanhado pelo Butantan. E assim, cada um dos Estados. É mais ou menos essa a ideia”, disse Wellington.

Em nota, o Consórcio Nordeste e o Consórcio Amazônia Legal informaram que já iniciaram um diálogo com os fornecedores russos para a importação da vacina. Serão analisados os procedimentos técnicos mencionados pela Anvisa para reajustes contratuais e execução dentro dos termos federais. Confira a nota ao fim da reportagem.

Em maio deste ano, o Consórcio Nordeste pediu que a Anvisa reavaliasse a importação da vacina e enviou um ofício com respostas do Instituto Gamaleya, responsável pela fabricação da vacina, com os questionamentos feitos pela agência na sessão que rejeitou a importação do imunizante.

A Sputnik V foi requisitada por seis estados: Bahia, Maranhão, Sergipe, Ceará, Pernambuco e Piauí. Em abril, um pedido de 30 milhões de doses para 14 estados foi rejeitado pela Anvisa.

Já a Covaxin faz parte de encomenda do Ministério da Saúde, que renovou o pedido de importação de 20 milhões de doses – em março, a compra também foi negada pela agência.

Confira a nota:

Os governadores dos estados do Nordeste e da Amazônia Legal, reunidos neste sábado (5), comemoraram a decisão da Anvisa em liberar a importação da vacina Sputnik.

Estamos analisando, juntamente com os fornecedores russos, os procedimentos técnicos mencionados pela Anvisa, visando a ajustes contratuais e à execução nos termos das Leis Federais 14.124 e 14.125/2021.

Reiteramos a determinação de obter mais vacinas para as populações das nossas regiões, em nome de nossas causas principais: Vida e Saúde.

Com a ampliação das vacinas, o Brasil poderá superar a conjuntura de sofrimentos familiares, cries econômica e desemprego.

Fonte: G1

Postar um comentário

0 Comentários